fbpx 260711774397346
Diplomacia

PAA 2019: divulgada lista de 70 candidatos para bolsa do CACD

By 23 de maio de 2019 No Comments

Divulgação PAA 2019 (IRBr/MRE).

 

O novo edital do PAA

O Instituto Rio Branco (IRBr) divulgou, no dia 21 de maio, a realização de nova edição do Programa de Ação Afirmativa (PAA), em 2019. O programa oferecerá bolsas para candidatos negros do Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata (CACD).

O PAA 2019 segue os princípios do edital anterior. A seleção será feita considerando o desempenho dos candidatos no CACD de 2018. A inovação é que, dessa vez, já foi divulgada lista dos candidatos aptos a participação.

Resumo dos principais pontos

Serão fornecidas até 44 bolsas de 30 mil reais. O valor poderá custear:

  • Material bibliográfico;
  • Cursos preparatórios;
  • Professores especializados; e
  • Até 9 mil reais para “despesas de manutenção”.

Os principais requisitos gerais são:

  • Ter se inscrito no CACD 2018 nas vagas reservadas às pessoas negras;
  • Ter tido a autodeclaração como pessoa negra confirmada;
  • Ter obtido nota igual ou superior a 29,25 pontos (40%) na Primeira Fase; e
  • Não ter recebido mais do que 4 bolsas.

A lista dos candidatos que podem participar do PAA, em ordem de desempenho no CACD de 2018, é a seguinte:

  1. Paulo Henrique de Sousa Cavalcante
  2. Carolina Moreira da Costa Oliveira
  3. Rodrigo Cesar Bessoni e Silva
  4. Thiago Maciel Costa Oliveira
  5. Rodolfo Freire Maiche
  6. Caio Daniel Vidal de Lima
  7. Jonathan de Assis Paz Braga
  8. Flavio Encarnação Rocha
  9. Erica Cruz e Silva
  10. Dandara de Souza Araujo
  11. Renata de Siqueira de Oliveira
  12. Amanda Morais de Souza
  13. Bruno Felipe Rodrigues Moreira
  14. Pedro Mahin Araujo Trindade
  15. Vinicius Marcelino de Oliveira
  16. Luis Claudio da Silva Carvalho
  17. Jose Carlos Alves do Amaral
  18. Rafael Gomes Aliski
  19. William Silva Placides
  20. Joao Paulo de Sousa Vieira
  21. Leonardo Moreira de Souza
  22. Morgana Lino Costa de Souza
  23. Diego Jaques de Assis Faria
  24. Renan Brandao Cardoso
  25. Luciene Guimaraes de Faria
  26. Bruna Verissimo Lima Santos
  27. Aline Freitas de Paula e Silva
  28. Jairo Celestino Nascimento
  29. Luciana Silva de Oliveira
  30. Raphael Braga Alves
  31. Alysson Silva Reis
  32. Luis Marcio de Oliveira Santos
  33. Lucas Pinto Fernandes
  34. Leonardo Marcellus Silva de Farias
  35. Diogo Lima Prudente
  36. Vinicius Cardoso Santos
  37. Joao Rabello Silva
  38. Lucas Couto de Queiroz
  39. Katia Aparecida Barbosa
  40. Laura Marilia dos Santos
  41. Gibran Schriter Costa
  42. Marcos Antonio da Silva
  43. Bruno Pereira Cornelio Silva
  44. Tercio William Pereira Rocha
  45. Luis Henrique Correa do Amaral
  46. Lucas Sampaio Ataliba
  47. Marcos Paulo Rosa de Jesus Costa
  48. Vinicius Oliveira Campos e Santos
  49. Gustavo Jorge Silva
  50. Caio Eduardo Oliveira Leastro
  51. Julio Cesar Borges dos Santos
  52. Adriano Trevizan Rodrigues Silva
  53. Emilene Kareline Marciano dos Santos
  54. Solange Dias da Silva
  55. Cesar Henrique dos Reis
  56. Paulo Roberto Bahia da Silva
  57. Angela Maria Machado
  58. Carolina Vilela Figueiredo
  59. Juliana Ribeiro Oliveira
  60. Larissa Soares de Assumpção
  61. Danilo Guilherme dos Santos
  62. Alabe Nunjara Silva
  63. Tiago Henrique Ferreira de Jesus
  64. Rebeca Souza Rocha
  65. Luiz Victor do Espirito Santo Silva
  66. Bolivia Priscila Soares de Sa
  67. Cesar Costa Carvalho
  68. Gentil Antonio de Sousa Junior
  69. Elizangela do Socorro Monteiro da Silva
  70. Vitor Bruno Martins Macedo

Os candidatos deverão passar por procedimento complementar à autodeclaração e análise documental, nos dias 4 e 5 de junho, conforme edital.

Diplomatas, formatura do IRBr, 2018 (MRE/Flickr).

CACD em 2019

Em abril, na cerimônia de formatura do IRBr, o presidente Jair Bolsonaro anunciou que seu governo manteria a tradição da realização anual do CACD.

Muitos cacdistas estavam desconfiados de que esse ano poderia não ter concurso, mas o anúncio do chefe do executivo foi o ponta pé para realização do CACD 2019, que deve ter o edital lançada em junho. Confira nossos posts:

PAA surgiu antes da Lei de Cotas

Em 2014, foi publicada a lei que criou reserva de vagas para negros em concursos públicos no Brasil. No entanto, muito antes disso, o IRBr já proporcionava facilitação para negros desejosos de ingressar no serviço exterior brasileiro.

Em 2002, o instituto criou um programa de auxílio financeiro voltado para candidatos negros que tivessem demonstrado aptidão para o CACD. O objetivo era ampliar as condições de  ingressos desses candidatos na diplomacia, doze anos antes, portanto, da lei que criou as cotas.

O nome oficial da iniciativa é “Programa de Ação Afirmativa (PAA) – Bolsa-prêmio de Vocação para a Diplomacia”. O programa conta com parceria de outros órgãos federais:

  • o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq);
  • a Fundação Cultural Palmares (FCP); e
  • a Secretaria Especial de Promoção de Políticas de Igualdade Racial (SEPPIR).

Além disso, até 2015, a banca Cespe também contribuía diretamente com programa.

O método antigo de seleção do PAA

Inicialmente, a aptidão dos bolsistas era demonstrada por meio de um concurso específico para a concessão da bolsa, que contava com a colaboração do Cespe na organização.

A seleção era feita basicamente por meio de uma prova objetiva, com questões de disciplinas semelhantes às do CACD. Algumas edições também contaram com uma 2º etapa de avaliação, composta de prova discursiva de português.

Os melhores candidatos conquistavam o benefício do auxílio financeiro de 25 mil reais para seus estudos. Caso o candidato não lograsse a aprovação no CACD seguinte, ele poderia ter a continuidade da bolsa garantida, sem a necessidade de passar por concurso específico novamente.

Histórico do PAA

Foram realizadas edições anuais do PAA, nesse modelo de seleção, entre 2003 e 2011. Depois, somente em 2013 e 2015.

Segundo o IRBr, em 14 anos foram investidos “R$ 15,5 milhões na execução do programa, por meio do qual foram concedidas 641 bolsas a 375 candidatos negros”.

O pedido de nº09200000333201894, realizado ao Sistema Eletrônico do Serviço de Informações ao Cidadão (e-SIC), do Governo Federal, revelou que 35 bolsistas foram aprovados, até o CACD de 2017.

Evolução da seleção

A partir de 2016, o programa foi alterado. No edital para o biênio 2016/2017, o valor da bolsa aumentou para 30 mil reais e o meio para demonstrar aptidão se tornou o próprio CACD.

Segundo o IRBr, as bolsas serão concedidas “aos candidatos negros que, tendo apresentado desempenho satisfatório nas primeiras etapas do CACD, não lograram média de notas necessária à aprovação final”.

Ainda, o novo modelo do programa também promete outros benefícios: “Tutoria Diplomática (coach), que consiste no acompanhamento dos estudos dos bolsistas por diplomata voluntário, e a realização de parcerias com instituições privadas de ensino de idiomas estrangeiros e preparação nas disciplinas cobradas no concurso.”

As 12 edições já realizadas do PAA

Confira as páginas, com editais e provas, de todas as seleções do programa:

  1. 2003
  2. 2004
  3. 2005
  4. 2006
  5. 2007
  6. 2008
  7. 2009
  8. 2010
  9. 2011
  10. 2013
  11. 2015
  12. 2016/2017

A diplomacia na Máquina de Aprovação

A plataforma da Diplomacia conta com as questões dos concursos para bolsas do PAA e todas as demais questões do CACD.

Descubra suas chances de passar no concurso da diplomacia no Máquina de Aprovação. Monte um plano de estudos personalizado e caminhe sem desvios ao sonho de ser diplomata.

Você pode, até mesmo, contar com o treinamento individual do Victor Maia!

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of