Engenharia

Edificações – Cobertura

By 8 de novembro de 2018 No Comments

1. Componentes do telhado

Entende-se por cobertura a parte superior da edificação, protetora das intempéries, constituída por um elemento de suporte resistente (laje, estrutura de madeira, estrutura metálica) e conjunto de componentes com função de vedação (telhado), podendo apresentar ainda isolação térmica, acústica, forro e impermeabilização.

Importante: As normas brasileiras que tratam de telhas cerâmicas (NBR 8039 e NBR 13858) apresentam definições importantes dos elementos presentes na cobertura, conforme representado na figura abaixo e descrito a seguir.

Água ou pano d’água: Superfície plana inclinada de um telhado;
Beiral: Parte do telhado que se projeta para fora do alinhamento da parede;
Cumeeira: Aresta horizontal delimitada pelo encontro das duas águas, geralmente localizada na parte mais alta do telhado;
Espigão: Aresta inclinada definida pelo encontro entre duas águas que formam um diedro convexo, isto é, o espigão é um divisor de águas;
Fiada: Seqüência de telhas no sentido de sua largura;
Faixa: Seqüência de telhas no sentido de seu comprimento;
Rincão ou água-furtada: Aresta inclinada delimitada pelo encontro de duas águas que formam um diedro côncavo, isto é, é um captador de águas;

Peça complementar: Componente de concreto, ou qualquer outro material que permita a solução de detalhes construtivos de telhado, tais como cumeeiras, espigões, águas furtadas, encontro com paredes, ventilação, iluminação e arremates em geral;
Rufo: Peça complementar de arremate entre o telhado e uma parede;
Telha translúcida ou transparente: Telha de vidro, fibra de vidro ou outro material com o mesmo formato e dimensões das telhas convencionais, empregada para possibilitar a iluminação natural;
Telhado: Parte da cobertura de uma edificação constituída pelas telhas e peças complementares.

2. Estrutura de suporte

A estrutura de suporte para os elementos do telhado pode ser constituída por lajes de concreto, forros, estruturas metálicas e, especialmente, estruturas de madeira, a qual apresenta uma armação principal (representada por tesouras, ou pontaletes, ou vigas principais) e outra secundária, classificada como trama, composta pelas ripas, caibros e terças. Para um melhor entendimento, os elementos principais desta estrutura estão indicados na figura abaixo e descritos a seguir:

Tesoura: trata-se da estrutura principal de apoio, com formato de treliça que serve de apoio para a trama. As barras das tesouras recebem designações próprias, tais como banzo.

Ripas: peças pregadas sobre os caibros, atuando como apoio para as telhas;

Caibros: peças apoiadas sobre as terças, servindo de suporte para a ripas;

Cumeeira ou terça de cumeeira: terça correspondente à parte mais alta do telhado;

Terças: peças apoiadas sobre as tesouras, pontaletes, ou mesmo paredes, servindo de suporte para os caibros;

Contrafrechal: terça da parte inferior do telhado

Frechal: peças colocadas no topo das paredes, com a função de distribuir as cargas da tesoura, vigas principais ou quaisquer elementos de sustentação;

Chapuz: calço de madeira, geralmente em forma triangular, que serve de apoio lateral para a terça;

Perna: de sustentação da terça, indo do ponto de apoio da tesoura do telhado ao cume, geralmente trabalham à compressão.

Linha: Peça que corre ao longo da parte inferior de tesoura e vai de apoio a apoio, geralmente trabalham à tração

Pendural: Peças que ligam a linha à perna e se encontram em posição perpendicular ao plano da linha. Denomina-se pendural quando a sua posição é no cume, e nos demais tirante. Geralmente trabalham à tração.

Escora:  São peças de ligação entre a linha e a perna, encontram-se, geralmente, em posição oblíqua ao plano da linha, denomina-se asna a que sai do pé do pendural, as demais de escoras. Geralmente trabalham à compressão.

Pontaletes: peças dispostas verticalmente, tais como pilares curtos sobre os quais se apoiam as vigas ou as terças;

Estribo: São ferragens que garantem a união entre as peças das tesouras. Podem
trabalhar à tração ou cisalhamento

Mão francesa: peça disposta de forma inclinada, a fim de travar a estrutura.

 

3.Telhas

Para cobrir a estrutura de suporte do telhado podem ser utilizados diferentes tipos de telhas, a depender dos materiais utilizados e do processo de fabricação. Alguns dos tipos mais conhecidos de telhas comumente utilizadas são: telhas cerâmicas, de concreto, de alumínio, de fibrocimento ou cimento amianto (gradualmente substituídas por fibras de celulose, devido a problemas ambientais), poliestireno (transparentes), entre outros.

  • Telha cerâmica

As telhas cerâmicas têm início com a preparação da argila, e consiste na mistura de várias argilas. Na próxima etapa, a argila já misturada passa por uma moagem e por uma refinação chegando até a extrusora, onde o pó de argila se transforma em massa homogênea e sem impurezas. Essa massa passa pelas prensas de moldagem, indo diretamente para a secagem. Só então é feita a primeira seleção e a primeira queima em forno a uma temperatura de 900°C.
Devem apresentar som metálico, assemelhando ao de um sino quando suspensas por uma extremidade e percutidas. Não devem apresentar deformações, defeitos ou manchas.
As telhas são assentadas com o máximo cuidado e alinhadas perfeitamente. Algumas peças são assentadas com argamassa de cimento, cal e areia no traço 1:2:8. São as cumeeiras e espigões e , quando forem do tipo canal, também as telhas dos beirais e oitões. É o que se chama de emboçamento das telhas. O consumo da argamassa é na ordem de 0,002m³/m² de telhado.

Para inclinações de telhados acima de 45°, recomenda-se que as telhas sejam furadas para serem amarradas ao madeiramento, com arame galvanizado ou fio de cobre. Ao cobrir, usar régua em vez de linha, desde a ponta do beiral até a cumeeira, e deslocar de acordo com a medida da telha, cobrindo sempre do beiral para a cumeeira, colocando duas ripas sobrepostas ou testeiras para regularmos a altura da 1ª telha.
As telhas cerâmicas mais utilizadas são:
– Francesa ou Marselha
– Paulista ou Canal ou Colonial
– Paulistinha
– Plan
– Romana
– Portuguesa
– Termoplan (Vasatex)

Telha francesa
Tem forma retangular, são planas e chatas, possuem numa das bordas laterais dois canais longitudinais.
Para encaixe, nas bordas superiores e inferiores, cutelos em sentido oposto. Os encaixes em seus extremos servem para fixação e para evitar a passagem da água.
– 15 un por m²
– peso: 45 kgf/m² – seca
54 kgf/m² – saturada
– dimensões ≅ 40 cm de comp. por 24 cm de largura
– inclinação: 33%
– cumeeira: 3 un/ml

Telha paulista
Constituem-se de duas peças diferentes, canal, cuja função é de conduzir a água e
capa, que faz a cobertura dos espaços entre dois canais.
– 26 un por m²
– peso: 69 kgf/m² – seca
83 kgf/m² – saturada
– dimensões: ≅ 46cm comp. (canal)
46 cm comp. (capa)
18 cm largura (canal)
16 cm largura (capa)
– inclinação: 25%
– cumeeiras: 3un/m

Tipo plan
Tem as características da telha paulista, mas melhoradas, tem os cantos arredondados e a seção retangular.
– 26 un por m²
– inclinação: de 20 a 25%
– cumeeiras: 3 un/m
– peso: 72 kgf/m² – seca
86 kgf/m² – saturada
– dimensões:    46cm comp.(capa)
46cm comp. (canal)
16cm largura (capa)
18cm largura (canal)

Telha romana e telha portuguesa
A telha romana tem o mesmo formato que as telhas plan, somente que nesses tipos o canal é junto com a capa. A portuguesa é igual à paulista.
– inclinação mínima: 30%
– 16 peças por m²
– peso: 48kgf/m² – seca
58 kgf/m² – saturada

Termoplan
Como o próprio nome indica, a termoplan através de dupla camada, consegue um
isolamento térmico e um isolamento de umidade.
– inclinação mínima: 30%
– 15 peças por m²
– peso: 54 kgf/m² – seca
65 kgf/m² – saturada
– dimensões:   45,0cm comprimento
21,5cm largura

Telha germânica
    A montagem é feita em escamas de peixe com as seguintes características:
– 30 telhas por m²
– peso unitário: 1.475g
– inclinação mínima: 45%
Quando for colocado isolante térmico, calcular ventilação do forro.